Audi TT recebe actualização e põe fim ao diesel

A terceira geração do Audi TT recebe a típica renovação a meio do ciclo de vida. As alterações são poucas e, sobretudo, estéticas. Motores só a gasolina e com filtro de partículas, como manda o WLTP.

A Audi acaba de revelar o facelift que prepara a terceira geração do TT, introduzida em 2014, para “aguentar” mais uns anos. As mudanças são mais ligeiras do que evidentes, exigindo um olhar atento e procurando, sobretudo, conferir ao coupé/roadster uma imagem mais agressiva e com uma masculinidade reforçada.

Vinte anos passados desde o lançamento da primeira geração, em 1998, o TT actualiza-se com uma estética mais desportiva, conseguida quer à conta das grandes entradas de ar laterais, que enfatizam a largura do modelo, quer por via da generosa grelha Singleframe, que a marca classifica como tridimensional. Atrás, os designers voltaram a colocar o ênfase em linhas que realcem a largura, como que para dar ao TT um aspecto mais encorpado.

Com esta renovação o equipamento sai reforçado, com os faróis a puderem ser LED ou Matrix LED opcionalmente. De série, o TT exibe jantes de 17 polegadas, mas os extras incluem alternativas de 18, 19 e 20”.  A completar, são introduzidas três novas cores: cosmos bluepulse orange e turbo blue. Esta última opção é exclusiva da S Line que, naturalmente, reforça a imagem desportiva do TT.

No interior houve poucas mexidas, salvo “detalhes” mais tecnológicos: além do Audi Vitual Cockpit, o modelo passa agora a oferecer, logo na versão de entrada, o sistema que permite escolher o modo de condução. Sensores de chuva e luz, espelhos exteriores aquecidos e volante multifunções plus, que permite controlar o sistema de infoentretenimento, passam também a ser de série, tal como acontece com a iluminação das portas USB e o emparelhamento sem fios de smartphones. Aos bancos aplica-se a mesma regra, ou seja, são sempre desportivos e com apoio de cabeça integrado, podendo opcionalmente (pack S Line) oferecer apoios laterais ajustáveis.

Quanto a mecânicas, o fabricante de Ingolstadt não adianta grandes dados, limitando-se a retirar o diesel da equação e a sublinhar que todos os blocos a gasolina, disponíveis com diferentes níveis de potência, contarão com filtro de partículas – assim o impõe o WLTP. A caixa manual com seis relações mantém-se ou, em alternativa, uma nova transmissão automática de dupla embraiagem e sete velocidades.

Fonte: Observador

No comments yet! You be the first to comment.

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *